DatabaseCast 84: Dados e Sensores

VirtrineDatabaseCast84Olá, pessoal! Neste episódio, Mauro Pichiliani (Twitter | Blog), Wagner Crivelini (@wcrivelini) e os convidados Gedeane Kenshina (@ge_angrybirds) e Ernesto Flôres  mostram suas placas e sensores para falar sobre dados. Neste episódio confira como o Arduino foi uma revolução na área, o que são wearables, como acompanhar a música de um show a partir de um vestido e não se esqueça de testar em você mesmo seu sensor caseiro utilizando moedas e muita força de vontade!

Caneta DatabaseCast ‘Datas SQL’!

NOVA_CANECA

Livro do banco de dados NoSQL MongoDB escrito pelo Mauro Pichiliani!

CAPA_REDUZIDA

Compre aqui a versão digital (EPUB) na Amazon. No Clube de Autores temos também a versão digital e impressa.

 

 



 

 

Não deixe de nos incentivar digitando o seu comentário no final deste artigo, mandando um e-mail para  databasecast@gmail.com, seguindo o nosso twitter @databasecast, vendo informações de bastidores e as músicas do programa no nosso Tumblr e curtindo a nossa página no Facebook e no Google+ e assistindo aos nossos episódios no YouTube. Acesse o feed RSS do DatabaseCast neste link.

Play
Esta entrada foi publicada em DatabaseCast, Podcast e marcada com a tag , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

7 respostas a DatabaseCast 84: Dados e Sensores

  1. Itamar disse:

    Mauro e Wagner, novamente preciso dar parabéns ao excelente episódio ( estou sendo repetitivo e redundante ), o Ernesto é a típica pessoa que na versão software seria um “escovador de bits” e a Gedeana com as “luzinhas” não imagina o quanto essa magia é importante, e muito bem exemplificado pelo Wagner sobre seus filhos e a Disney. Tentei achar um vídeo que falava de recursos educacionais usando esse tipo de abordagem para compartilhar, não lembro se é algo feito no Reino Unido, Austrália ou Nova Zelândia, mas com um retorno fantástico na atenção e retenção de conhecimento pelos alunos ( incluindo adultos ).

    O IoT na verdade, como bem lembrado, é uma definição nova de algo mais antigo, com atores novos em termos de sensores e placas.
    Apesar de haver uma limitação de comunicação pela especialização de cada lado, o tema fluiu muito bem.

    E nesse pegada gostaria de sugerir outro entrevistado cujo lema é: “Colaborar atrai amigos, competir atrai inimigos …”, o grande Alessandro de Oliveira Faria (A.K.A. CABELO)

  2. George Tavares disse:

    Excelente podcast como sempre. Para complementar um pouco a discussão, devo citar os Time Series Databases, muito usado para este tipo de problema , como o influxdb e o RRD. Esse tipo de banco de dados tem a caracteristica de começar a “esquecer” os dados mais antigos.
    Claro, esse esquecimento é configurável, mas a ideia que a tipo na semana corrente os dados lidos pelo sensor tenham um granularidade por exemplo de a cada 10 segundos. Já os dados da segunda, terceira, quarta semana passadas, a granularidade passa a ser de um minuto, ou seja os dados 6 dados do minuto são aglutinados em uma média de 1 minuto.
    Dados mais antigos podem então ser aglutinados em 10 minutos, 30 minutos , 1 hora. Isso é feito automáticamente no banco de dados e permite uma série de vantagens, como previsão mais deterministica do tamanho do database. Além de coleta de sensores, isso é usado em coletas de dados de servidores, como uso de memória e cpu, que possui características semelhantes.
    Continuem com o excelente trabalha.

  3. Marcos disse:

    Prezados, gostaria de parabenizar pelo excelente podcast. Em primeiro lugar, não é Engenheiro Elétrico e sim Engenheiro Eletricista!!! Brincadeira, para mim tanto faz… Senti na pele o que a Gedeana das luzinhas sentiu. Eu comentei com o meu professor da pós graduação que havia realizado um projeto com Arduino que ajudou a reduzir o desperdício de água de uma cidade do interior. A solução convencional custava mais de 60 mil reais, enquanto a minha solução que utilizava Arduino custava menos de 500 reais. Comentei com o professor que tinha aplicado essa solução com meus próprios recursos sem ter ganhado nada com isso, e o professor olhou para mim querendo me matar. Ele falou que o Arduino não era confiável e que essa solução não iria durar muito e que não podia ter feito isso. Na época que falei com ele, o projeto estava funcionando há cerca de 3 meses. Em 01 de agosto desse ano a solução vai completar exatamente 02 anos de funcionamento sem nunca ter dado problema. Usei tambem o Arduino em uma solução para o corridas de rua no auxilio de registro do percurso dos corredores em um banco de dados. Atualmente estou usando o Arduino na redução de consumo elétrico de computadores. Apesar de concordar com o professor que o Arduino não pode ser usado para isso, porque não possui proteção contra interferências, etc…., mas está funcionando… fazer o que!!!

  4. Rodrigo Tognin disse:

    É sempre muito interessante os assuntos, mas Mauro, não tem como você conseguir um microfone simples, um LX3000 para melhorar seu áudio?

  5. marcelo disse:

    Excelente episódio Mauro e Wagner. Cada vez mais os episódios do databasecast estão melhores, e um dos principais fatores é a abordagem multi-disciplinar aplicada de forma fácil e dinâmica em assuntos complexos. Gostaria de deixar como sugestão de pauta o tema de auditoria em banco de dados.

    Obrigado e vida longa ao DatabaseCast

  6. Jefferson disse:

    Simplesmente fantástico, papo bem descontraído recheado de conhecimentos e experiencias “Sensacional”, continua não para não, estou divulgando para 4 grupos de tecnologia sqlday Bahia, SqlManics e mais dois de tecnologia, juntos são mais de 3.000 usuários, a propaganda fica por minha conta Rs…. Parabéns também Mauro Pichiliani acompanho você deis de 2006.

  7. Leonardo Cezar disse:

    Olá!

    Tenho duas reclamações e dois elogios para esse podcast.

    Reclamação:

    – Eu gosto MUITO de música, então por favor #ajudanois, coloquem os nomes do autores e nomes das músicas utilizadas no podcast, assim eu posso achar no Spotify ou YouTube, haha.

    – Coloquem também o nome/link das coisas citadas no podcast (pelo menos as principais), por exemplo, o ouvinte pode não saber o que é PIC, e como é áudio, ele não sabe a grafia, se é PIQUE, PICK, PIK, aí dificulta ele buscar sobre o que foi citado caso interesse em se aprofundar no assunto.

    Elogio:

    – Quando e menina falou que era uma “simples acendedora de led”, um dos hosts falou para ela não se abalar com as críticas, seguir em frente, mostrar seu trabalho, que ela fazia algo legal, ele realmente apoiou ela e teve uma atitude muito bacana, bem nice person.

    – Vocês colocam umas músicas legais, haha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *