Relatos de quem aprendeu a programar

http://www.deviantart.com/art/Cyberpunk-Hacker-341117631

http://www.deviantart.com/art/Cyberpunk-Hacker-341117631

Eu já fui e ainda sou professor de programação básica. Apesar dos meus anos de experiência, sempre estou procurando novas maneiras de ensinar melhor e um dos feedbacks pelos quais mais me interesso são os relatos de quem acabou de aprender (ou está começando) a aprender a programar. Neste post vou falar um pouco sobre estes relatos.

Quem acompanha meus conteúdos de programação ano no blog deve estar acostumado com diversos assuntos que eu abordo nesta área, inclusive na parte de educação. Na verdade, acredito que isso é um dos meus diferenciais em sala de aula: eu sempre procuro evoluir, melhorar e tornar as minhas aulas de programação básica mais adequadas. Não sou aquele tipo de professor que tem o mesmo material há muito tempo, segue a mesma metodologia, usa os exemplos tradicionais e sempre passa os mesmos exercícios para os alunos.

Recentemente muitas pessoas tem aprendido a programar independente da área de atuação ou profissão. Este movimento tem origem em diferentes iniciativas que estão popularizando da tarefa de programar e codificar, algo que é muito positivo. De quebra, sempre acabamos encontrando alguns relatos de pessoas que descreveram quais foram suas experiências nesta jornada de aprendizado.

Recentemente li um pequeno relato da jornalista Ligia Aguilhar onde ela descreve como foi sua experiência no aprendizado básico. Destaco que ela falou um pouco sobre como é aprender a programar em comparação com aprender uma nova língua falada e escrita. Ouro ponto interessante foi a forte ênfase em detalhes minuciosos (como o uso de ponto e vírgula de letras maiúsculas e minúsculas). Por fim, ficou a mensagem positiva que ela indicou enfatizando às possibilidades que podem ser alcançadas depois de aprender a programar.




Vale a pena a leitura deste relato. Confesso que fiquei muito interessado em observar este ponto de vista. Definitivamente me ajudou a enxergar melhor o processo de aprender a programar sob o olhar de quem não conhece muito esta área.

Ouro relato um pouco diferente foi apresentado pelo colega de profissão Armindo Ferreira. Neste caso ele começou falando sobre como aprendeu programação nos anos 80, assim como o relato do Daniel Quadros. Apesar dos relatos curtos, fiquei refletindo como evoluímos tanto no aspecto tecnológico como em questões educacionais que envolvem didática, exemplos práticos, ferramentas mais amigáveis e outros elementos que, de certo modo, facilitam o aprendizado.

Assim como na minha formação, não tive muitos recursos como os disponíveis hoje para aprender a programar. É importante dizer que isso não implica em um programador melhor ou pior. Só foi diferente.

Em geral, a maioria dos relatos de quem aprende a programar hoje em dia (Fevereiro/2016) possui alguns pontos em comum: alguma dificuldade nos detalhes técnicos da linguagem ou ambiente, a “força” mental necessária para organizar o pensamento em ordem lógica e as possibilidades que podem surgir a partir do aprendizado. Considerando estes pontos, mesmo quem não pretende seguir carreira na área de programação pode dar um feedback muito interessante e ajudar quem já é da área a enxergar outros ponto de vista e, quem sabe, aprender a se tornar um profissional melhor a partir disso.

Esta entrada foi publicada em Carreira, Programação e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Relatos de quem aprendeu a programar

  1. Obrigado pela citação ao meu blog e texto e eu defendo muito a causa que seja ensinado programação nas escolas para os pequenos. Pra mim foi um grande diferencial mesmo não programando nos dias de hoje =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *